segunda-feira, 25 de maio de 2009

Não tome o lugar de Deus







Essa semana aconteceu algo que realmente tem me mantido meus olhos voltados para o Rei.. A faculdade onde estudo fica bem em frente ao terreno onde nossos rapazes “moram”. É um morro bem mal cheiroso, cheio de lixo e moscas. Apesar de ainda estarmos ali sempre com eles, ministrando a Palavra do Senhor e derramando o amor que Ele mesmo compartilhou em nossos corações por eles, temos sentido como se os estivéssemos perdendo para as ruas novamente. Muitos que já não estavam usando drogas, nem consumindo álcool, voltaram às práticas antigas. A maioria deles estavam por meses a fio progredindo em todos os sentidos e pareciam estar se entregando ao amor de Cristo de forma maravilhosa. O semblante deles estava diferente, as roupas e até mesmo a forma de falar deles estava diferente. Por vezes, adorávamos com eles, ali no meio da rua mesmo, e nos derramávamos com coração quebrantado diante do Noivo. Sempre me emocionei muito quando via, em nossos momentos de oração e adoração, eles com quebrantamento de coração invocando ao Senhor. Todas as vezes que vi um desses rapazes chorarem na presença de Deus, ou demonstrarem qualquer expressão de amor para com Jesus, acabei chorando junto com eles. A guerra em Angola matou os pais de alguns deles, matou a inocência e a noção de vida em seus corações, mas não matou o anseio que cada um de nós temos por Deus. Chegamos a montar com eles nossa escola bíblica, que não tinha paredes nem bancos confortáveis, funcionando ali na rua mesmo, sentados em baldes ou pedras que se tornam nossas cadeiras improvisadas e uma pequena árvore que serve de proteção do forte sol. E muito poder de Deus vivíamos juntos.

Apesar de garantirmos que eles se alimentem todos os dias, andamos insatisfeitos pois precisamos tira-los da rua, precisamos ver esses rapazes deitados numa cama confortável de noite, e estarem debaixo de um teto para que não tenham que sair correndo e se abrigarem num lugar qualquer quando chove! Mas o fato é que temos tido uma grande dificuldade na liberação disso aqui. As documentações e todo o trâmite são muito demorados. Temos todas as condições de conseguir patrocínio para a construção do centro de formação e abrigo, mas ainda falta um documento que nos legalize para tal.

E essa situação, para mim, estava se tornando uma grande muralha que tirava meus olhos de Deus e me fixava na situação que estava a ocorrer, e logo me sentia culpada por não estar conseguindo fazer “nada” pelos nossos filhos espirituais.

Ao sair da faculdade, fui até a grade do outro lado da rua, e de lá pode-se ter uma visão de total do ambiente que circula o terreno de nossos rapazes, pois eles ficam na parte baixa do morro, e minha faculdade fica no topo do morro, na parte mais alta.

Fiquei ali um tempo olhando lá de cima para eles, orando e conversando com Deus, derramando sobre Ele toda minha ansiedade e principalmente o medo de perder uma vida que seja. DE repetente, Ele veio até mim com sua presença inconfundível, segurou bem forte minhas mãos e disse : “- Eu estarei contigo todos os dias para te ensinar a ser a extensão dos Meus braços na Terra, mas não tome o lugar que é meu”.

Quando começamos a nos preocupar a ponto de nos sentirmos aflitos com as situações que estão ocorrendo em nossas vidas, é porque não estamos confiando no controle absoluto do Senhor. Não estamos entregando a Ele o controle da situação, e não estamos nos permitindo, simplesmente descansar Nele. Tive um start na minha mente que parece ter se renovado num entendimento a cerca do “vinde á mim todos os que estais cansados e sobrecarregados e Eu vos aliviarei”.

O peso que eu estava sentindo, ao contrário do que pensava, não vinha da situação delicada que estamos vivendo com nossos rapazes, mas era reflexo da minha falta de entrega a Deus. Quando estamos nos sentindo assim, desgastados e sugados pelas situações, é porque estamos tomando o lugar de Deus, na expectativa de que temos sempre que fazer algo para que aquela situação mude, trazemos para nós um peso que não nos pertence. A angustia vem quando sentimos que não temos controle das situações, mas é nessa hora que podemos tão somente entregar para o Todo Poderoso, todo o controle, confiando que ELE é quem faz da rocha brotar água. Se tentarmos nós por nossa força humana conquistar qualquer coisa que seja, esmagaremos o amor e a esperança dentro dos nossos próprios corações e ficaremos irados, tristes e angustiados.

Que cada um de nós, possamos entregar a Deus nossas preocupações, nosso cansaço, e a sobrecarga, pois Ele tomará para si todo o peso e nos aliviará. Afinal de contas, ninguém deseja tanto nos dar esse alivio e nos ver felizes como Ele.

Com amor
Adna Marques

3 comentários:

Filipe Brasileiro disse...

O Papai usou essas palavras para me corrigir maninha... obrigado pela sua transparência e amor em compartilhar coisas tão simples mas transformadoras e renovadoras de mente, no poder do Espírito Santo. Obrigado ao Papai pela promessa de Mateus 11:28-30 e Agradeço e Ele pela sua vida...

Abraço

Rosangela Ferreira Bernardes disse...

Adna...Quão preciosa és para mim!Obrigada por dividir aquilo que Deus tem ministrado ao seu coração!Isso me fortalece e muito...Obrigada pelos sorrisos que me deste, e pelos risos que me fazia dar com suas piadas que quase ninguém achava graça, mas eu sim...Das lágrimas que dividiu comigo em intercessão quando eu não estava bem e pensava em desistir,pelo carinho,pela sinceridade inocente e cúmplice, pois entendes meu jeito de ser e principalmente pela disposição de ser quem tu és em Deus!!Eu te amo...RÔ

Symei disse...

Diná,
Que Deus te fortaleça na shoras de cansaço e te dê paz dos momentos difíceis.

Tem um livro muito bom que se chama "A cruz e o punhal" acho que ele irá te abençoar muito se vc quiser ler.

Bjs.